o virus

O vírus Zika é um RNA vírus da família Flaviviridae (A esta família também pertencem os vírus do Dengue e o vírus da febre amarela), do gênero Flavivirus, que causa em humanos a doença conhecida como a febre do Zika vírus ou febre zika.
O vírus Zika é transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti (o mesmo vetor do Dengue e da febre chikungunya).

Apresentação clínica

Estima-se que somente 18% das infecções humanas resultam em manifestações clínicas, sendo, portanto, mais frequente a infecção assintomática.
A febre do Zika é uma doença viral aguda, quando sintomática, causa exantema maculopapular pruriginoso, febre intermitente, hiperemia conjuntival não purulenta e sem prurido, artralgia, mialgia e dor de cabeça. Apresenta evolução benigna e os sintomas geralmente desaparecem espontaneamente após 3-7 dias, No entanto, a artralgia pode persistir por aproximadamente um mês. Geralmente não tem complicações graves e não há registro de mortes. A taxa de hospitalização é potencialmente baixa.
Recentemente, foi observada uma possível correlação entre a infecção ZIKAV e a ocorrência de síndrome de Guillain-Barré (SGB) em locais com circulação simultânea do vírus da dengue, porém não confirmada a correlação.

Tratamento

Não existe tratamento específico. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é o uso de paracetamol para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os antihistamínicos podem ser usados. Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico em função do risco aumentado de complicações hemorrágicas descritas nas infecções por outros flavivírus.

Prevenção

Evitar os focos da reprodução do vetor é a melhor forma de se prevenir contra o Zika vírus.

confirmação laboratorial

O diagnóstico laboratorial específico de ZIKAV baseia-se principalmente na detecção de RNA viral, o ideal é que o exame do material seja realizado até o 4o dia do aparecimento dos sintomas
No Brasil, o exame para confirmação de ZIKAV é a reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa (RT-PCR), realizada em laboratórios de referência da rede do Sistema Único de Saúde (SUS), porém ainda não disponível em grande escala.

Zika vs. Dengue

Diante da inexistência de kits comerciais para realização de sorologia específica para ZIKAV no Brasil, como ocorre com a dengue, neste momento, as realizações dos diagnósticos clínico e diferencial com dengue e febre de chikungunya são as principais ações a serem adotadas. Os casos suspeitos devem ser tratados como dengue, devido à sua maior gravidade. Frente a resultados negativos/não reagentes em pacientes com suspeita de dengue, pode ser realizada a investigação para outros flavivírus cujas infecções possam cursar com quadro semelhante ao da dengue